segunda-feira, 20 de abril de 2009

Mensagem do Pr. Fanini: A oração de Ana

Texto: I Samuel 1:11

Dentro de cada coração há sonhos e desejos que se recusam a desaparecer enquanto não se realizam. Muitas vezes o dia a dia faz com que eles permaneçam adormecidos mas inesperadamente voltam ao coração.Eles acabam atrapalhando nossas orações. Será que Deus me esqueceu?
O que fazer dos sonhos que se recusam a nos abandonar e também não foram (ainda) realizados? Será que a oração de Ana surgiu de um momento como esse?

1 - 1 Houve um homem de Ramataim-Zofim, da região montanhosa de Efraim, cujo nome era Elcana, filho de Jeroão, filho de Eliú, filho de Toú, filho de Zufe, efraimita.1 - 2 Tinha ele duas mulheres: uma se chamava Ana, e a outra Penina. Penina tinha filhos, porém Ana não os tinha.1 - 3 De ano em ano este homem subia da sua cidade para adorar e sacrificar ao Senhor dos exércitos em Siló. Assistiam ali os sacerdotes do Senhor, Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli.

Ana não precisava de pouco. Ana precisava de um milagre.

No dia em que Elcana sacrificava, costumava dar quinhões a Penina, sua mulher, e a todos os seus filhos e filhas;1 - 5 porém a Ana, embora a amasse, dava um só quinhão, porquanto o Senhor lhe havia cerrado a madre.1 - 6 Ora, a sua rival muito a provocava para irritá-la, porque o Senhor lhe havia cerrado a madre.1 - 7 E assim sucedia de ano em ano que, ao subirem à casa do Senhor, Penina provocava a Ana; pelo que esta chorava e não comia.1 - 8 Então Elcana, seu marido, lhe perguntou: Ana, por que choras? e porque não comes? e por que está triste o teu coração? Não te sou eu melhor de que dez filhos?

Os anos de passaram e o útero de Ana permanecia fechado. Ela se tornou objeto de zombaria. E o pior: seu marido não conseguia compreender a sua dor.
Não te sou eu melhor de que dez filhos?

N meio do seu desespero, Ana fez uma das orações mais eloquentes da Bíblia. Ela disse:

1 - 10 Ela, pois, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou muito, 1 - 11 e fez um voto, dizendo: ó Senhor dos exércitos! se deveras atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres, mas lhe deres um filho varão, ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida, e pela sua cabeça não passará navalha.


Observem o pedido de Ana: Lembra-te de mim, Senhor!

Ana estava aflita. O seu relógio biológico estava prestes a avisar que ela não tinha mais tempo. O seu útero estava envelhecendo. Ela estava ansiosa. Ansiosa por um tipo de resposta. A resposta de Deus.

Essa não era a primeira vez que Ana orava para que Deus curasse a sua infertilidade. Mas desta vez ela pediu um filho varão. Anos a fio ela foi a Silo. E durante muito tempo ela orou por uma gravidez mas agora era diferente Ela disse a Deus que se ele não a houvesse esquecido, ela engravidaria de um menino!
Ana não pensava apenas em si mesmo. Ana ansiava por um filho que mudasse a história de Israel, o que de fato aconteceu com o nascimento e a vida de Samuel.

Ana orou por um filho. E Deus finalmente respondeu a sua oração. Ela ficou grávida de Samuel, um dos profetas mais importantes de Israel.

Antes de estudarmos a resposta de Deus, vamos estudar algumas características da oração de Ana para que você possa aprender com ela.
1) Uma dos benefícios da demora das respostas é o refinamento do motivo. As vezes Deus espera o refinamento dos nossos pedidos, ou seja, que as impurezas como egoísmo, por exemplo, sejam eliminadas. O desejo de Ana não era mais um filho para si mesma, nem para o seu marido, sua família, nem mesmo para a sua própria cidade. Ela pedia um filho para ajudar a construção da nação de Israel.
2) Fé persistente _ 1 - 12 Continuando ela a orar perante e Senhor, Eli observou a sua boca. O desejo de Ana não motivou uma oração apenas. Ela orou durante muitos anos. Nesse ponto Ana se parece com uma outra mulher citada por Lucas, no NT (18:1-7). É a viúva da oração persistente que Jesus ilustra como exemplo de insistência.

Contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer.18 - 2 dizendo: Havia em certa cidade um juiz que não temia a Deus, nem respeitava os homens.18 - 3 Havia também naquela mesma cidade uma viúva que ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário.18 - 4 E por algum tempo não quis atendê-la; mas depois disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens,18 - 5 todavia, como esta viúva me incomoda, hei de fazer-lhe justiça, para que ela não continue a vir molestar-me.18 - 6 Prosseguiu o Senhor: Ouvi o que diz esse juiz injusto.18 - 7 E não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que dia e noite clamam a ele, já que é longânimo para com eles?

3) Sofrimento intenso.
1 - 13 porquanto Ana falava no seu coração; só se moviam os seus lábios, e não se ouvia a sua voz; pelo que Eli a teve por embriagada,1 - 14 e lhe disse: Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti o teu vinho.1 - 15 Mas Ana respondeu: Não, Senhor meu, eu sou uma mulher atribulada de espírito; não bebi vinho nem bebida forte, porém derramei a minha alma perante o Senhor.1 - 16 Não tenhas, pois, a tua serva por filha de Belial; porque da multidão dos meus cuidados e do meu desgosto tenho falado até agora.

É extremamente doloroso o sofrimento que sai do coração como uma petição desesperada a Deus. Ela fala de si mesma como uma pessoa com desgosto. Mexer nesses desejos frustrados e expô-los a Deus, é uma tarefa desconfortável. Mas Ana estava disposta a tudo.
4. Petições acompanhadas de jejum
Muitas orações que presenciei as respostas estavam associadas ao jejum. Ana jejuou. O versículo 18 fala que Ana comeu. Ela estava em jejum.

1 - 17 Então lhe respondeu Eli: Vai-te em paz; e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste.1 - 18 Ao que disse ela: Ache a tua serva graça aos teus olhos. Assim a mulher se foi o seu caminho, e comeu, e já não era triste o seu semblante.

Tem se escrito muito sobre jejum, hoje em dia. O fato é que se você sentir que o Espírito Santo está lhe orientando nessa direção, observe o jejum. Ana obedeceu e recebeu o SIM de Deus.

1 - 19 Depois, levantando-se de madrugada, adoraram perante o Senhor e, voltando, foram a sua casa em Ramá. Elcana conheceu a Ana, sua mulher, e o Senhor se lembrou dela.1 - 20 De modo que Ana concebeu e, no tempo devido, teve um filho, ao qual chamou Samuel; porque, dizia ela, o tenho pedido ao Senhor.
Creio que o Senhor se alegra em responder aquele desejo acalentado no silêncio durante anos. O fardo de Ana estava extremamente pesado e o tempo estava contra ela. Faça como Ana, ore persistentemente, e jejue, se assim for a orientação de Deus. Você vai ser ouvido.